Panorama Histórico

Estudantes do Colégio Cristóvão Colombo, Guayaquil-Guayas, (1938)

A presença salesiana no Equador é uma realidade social a partir de janeiro de 1888, como resposta à convenção assinada por Dom Bosco e o representante do Governo do Equador em Turim (Itália) em 1887, na qual se confia aos salesianos o Protetorado Católico de Artes e Ofícios de Quito, a fim de que "transmitam a educação moral e científica através do ensino sistemático do artesanato".

Logo depois, a obra evangélica-educativa dos salesianos chegou a outras cidades do Equador, com destaque para a fundação das Missões no Oriente Equatoriano como Gualaquiza (1893), Indanza (1914), Méndez (1915), Macas (1924), Sucúa (1931) e Limón (1936). O educativo é também a base de obras como aquelas de Quito (1888) com os seminários de arte e ofícios no Protetorado Católico; em Riobamba (1881) funda-se a escola primária, seminários e o oratório festivo; em Cuenca (1893) começam os seminários e o oratório festivo.

Em Quito, no bairro La Tola (1869) começam os seminários de mecânica e carpintaria, abre-se a escola primária e a igreja dedicada a Maria Auxiliadora; em Guayaquil (1904) a primeira fundação foi o Instituto Domingo Santistevan para crianças órfãs com o patrocínio do Órgão de Beneficência. No bairro Centenario desta mesma cidade fundou-se o Colégio Cristóvão Colombo (1911) para a educação humanística dos jovens de Guayaquil; em Manabí (1927) os salesianos recebem a Paróquia Rocafuerte onde também se abre uma escola primária e um oratório festivo.

Desde 1888 as obras educativas e apostólicas multiplicaram-se no Equador, afetando os vários grupos sociais a fim se responder às necessidades dos jovens, sobretudo dos mais pobres através de uma educação de qualidade com base no Sistema Preventivo e nos valores do Evangelho, para formar "honrados cidadãos e bons cristãos".

Hoje, os Salesianos do Equador são aproximadamente 200 irmãos, distribuídos em 27 comunidades na costa, na serra e na Amazônia.

A presença salesiana no campo da educação universitária é bastante nova, à exceção das experiências educativas da Índia em 1934 e da Pontifícia Universidade Salesiana em Turim que forma os salesianos a partir de 1940, antes como Pontifício Ateneu Salesiano e, desde 1973, como Universidade com sede em Roma.

Hoje existem 35 Inspetorias Salesianas responsáveis pela Educação Superior, o que determina um alto e contínuo crescimento da oferta salesiana no mundo.

As novas exigências da Pastoral Juvenil fizeram com que a Sociedade Salesiana se abrisse à faixa mais alta da juventude, conforme um princípio de continuidade educativa que exige uma educação prolongada além do período da adolescência. Também se oferece a oportunidade de aceder à Universidade a muito jovens em condições económicas e sociais menos favorecidas para que a Universidade seja um lugar privilegiado para a orientação vocacional no sentido mais amplo e específico.

 

No dia 4 de agosto de 1994, o Presidente da República, o Arquiteto Sixto Durán Ballén, assina o decreto presidencial para a instituição da Universidade Politécnica Salesiana do Equador. A UPS nasce numa época muito crítica desde o ponto de vista social e económico.

Uma vez aprovado o projeto de instituição da nossa Universidade, a Sociedade Salesiana do Equador dá início às atividades do novo Centro de Educação Superior no mês de outubro de 1994. De antemão, no dia 6 de setembro de 1994, criou-se o primeiro Conselho Universitário e realizou-se a posse do Reitor e do Vice-reitor. A Universidade Politécnica Salesiana, como centro de educação superior, está ciente dos grandes problemas educativos que o país enfrenta, como por exemplo:

  • A necessidade de formar um profissional integral, científico, prático, humano, moral e ético.
  • A necessidade de ligar a universidade com a sociedade.
  • A necessidade de que a ciência e a tecnologia formem parte do mundo integrador da educação.
  • A necessidade de que a pesquisa esteja ligada à solução dos grandes problemas sociais.

 

 

  • Educar os jovens equatorianos na fraternidade, para a promoção total de suas pessoas, oferecendo-lhes um proposta que se baseia no acolhimento de seus valores e que incentiva a solidariedade, no contexto da comunidade social e eclesial.
  • Formar pessoas com maturidade humana, que saibam sintetizar de maneira coerente ética, vida e cultura e que ajam na história conforme a justiça, a solidariedade e a fraternidade, sendo testemunhos dos valores mais altos do homem.
  • Aumentar a conformação de comunidades educativas para desenvolver uma educação numa perspectiva de liberação que se baseia nos valores, no conhecimento, no trabalho e na participação social.
  • Promover o desenvolvimento de mudanças qualitativas na educação que oferecem os centros salesianos, com o objetivo de estabelecer modelos pedagógicos alternativos que respondam às necessidades das aprendizagens que favorecem a vida pessoal e social em suas dimensões autênticas. 

Há 20 anos nascem com força as universidades salesianas nos vários continentes e com diferentes características; é naquele momento que o oitavo sucessor de Dom Bosco, Dom Juan Edmundo Vecchi Monti (1995-2002), fez notar a necessidade de que a Direção General da Congregação Salesiana acompanhasse e dirigisse as nascentes instituições universitárias.

Tendo em conta estes aspectos e depois de vários encontros a nível mundial, no dia 7 de janeiro de 2001, o Reitor Maior dos Salesianos, Dom Pascual Chávez Villanueva e seu Conselho em sessão plenária aprovam por unanimidade os documentos "Identidade das Instituições Salesianas de Educação Superior" e "Políticas para a Presença Salesiana na Educação Superior", documentos que hoje constituem para as IUS a Carta de Navegação na Congregação e formam parte do projeto das inspetorias nos diferentes países onde estão os salesianos.

Desta maneira e olhando para o futuro, estes dois documentos são para as IUS instrumentos de direção e governo sobre a definição da salesianidade destas obras, a descrição das linhas fundamentais e a identificação dos novos objetivos para alcançar; desta forma a Congregação Salesiana sem dúvida construirá, no âmbito universitário, uma tradição educativa que já começou.